• cataamazonufpa

Crise multiplica catadores, mas reduz o lixo


Adão Araújo, 38 anos: Com os R$ 30 que consegue por dia, paga o ônibus, compra um lanche e imprime currículos.

O número de catadores informais de material reciclável cresceu 48% no Brasil entre dezembro de 2014 e igual mês de 2018. Somente no ano passado, houve alta de 21% na quantidade de pessoas que recorrem ao lixo como fonte de renda, em mais uma evidência de que a tímida melhora recente da ocupação está se dando em vagas de baixa qualidade e remuneração.

A entrada dos novos catadores aumenta a competição no mercado de reciclagem, e trabalhadores mais antigos observam que menos material chega às cooperativas via coleta municipal, o que reduz o faturamento distribuído aos cooperados. Além da maior competição entre catadores, a queda do consumo devido à recessão reduziu a geração de resíduos recicláveis.

Os catadores informais de material reciclável somavam 268 mil em dezembro de 2018, ante 180,5 mil no último mês de 2014, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, compilados por Daniel Duque, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), a pedido do Valor.

Os catadores informais tinham renda mensal de R$ 690 em 2018, cerca de 30% da renda média nacional (R$ 2.243). A maioria (67%) é negra, 72% são homens e 74% têm apenas o ensino fundamental incompleto ou nenhuma instrução. O levantamento soma as categorias de "catadores de lixo e material reciclável" e "classificadores de resíduos", conforme a Class

"Em 2017 e 2018, houve uma recuperação do mercado de trabalho, com aumento da população ocupada via informais e trabalhadores por conta própria", lembra Duque. "O movimento dos catadores está em linha com essa tendência geral, em que pessoas desempregadas há muito tempo, ao não encontrar emprego, buscam outras formas de ocupação de menor rendimento

Esta é a realidade do baiano Reginaldo Moreira, de 46 anos e que coleta latas de alumínio, papelão e garrafas PET há um ano pelas ruas de São Paulo. Com os R$ 600 por mês que consegue na coleta, Moreira sustenta a filha de 17 anos e a esposa, antes arrumadeira e agora desempregada.

O catador trabalhava anteriormente como ajudante geral e servente de pedreiro, ocupações em que conseguia ganhar cerca de R$ 1 mil por mês, diz. Após três anos de desemprego e sem encontrar nem bicos na construção civil, recorreu à catação. "Quero voltar a trabalhar, estou juntando dinheiro para fazer um curso de vigilante", planeja Moreira.


Milena do Santos de Jesus, 19 anos: Esperança de uma renda mais estável, após bicos de faxina e desemprego.

A trajetória dele é a de muitos dos novos catadores. A reportagem do Valor conversou com alguns deles durante o protesto de 1º de maio, realizado pelas centrais sindicais no vale do Anhangabaú, na capital paulista. Por coincidência, ou talvez de forma reveladora da situação econômica atual, todos eram homens de meia idade e desempregados da da construção civil - o setor perdeu quase 1 milhão de postos entre dezembro de 2014 e 2018.

Adão Araújo, de 38 anos, conta que nunca trabalhou registrado. Em Juazeiro (BA), foi ajudante de obra, ajudante de caminhoneiro e auxiliar de limpeza. Com três filhos para criar, veio para São Paulo há seis meses em busca de trabalho. Ainda sem oportunidade, cata latas. Com os cerca de R$ 30 que consegue por dia vendendo o material a R$ 4,50 o quilo, paga o ônibus do albergue onde mora na Zona Leste para o centro, compra um lanche e imprime currículos. "Perguntam da minha experiência, mas eu não tenho nada para mostrar na carteira de trabalho", diz.

Mas nem todos os novos catadores são trabalhadores mais experientes que perderam o emprego. Há também jovens em início da vida profissional que estão vendo na coleta de recicláveis a única oportunidade. Milena do Santos de Jesus, de 19 anos e moradora do bairro de São Mateus, na Zona Leste paulista, trabalha há três meses como separadora de resíduos em uma cooperativa.

Antes, tentou ganhar a vida fazendo bicos de faxina, mas, após um período desempregada, viu na reciclagem a esperança de uma renda mais estável. "É bom trabalhar aqui, faço de tudo: separo PET, trabalho na esteira, o que me pedir, eu faço", diz. Ainda está trabalhando sem receber, mas espera ter um salário fixo para tocar a vida com seu marido, que está desempregado e faz bicos eventuais como mecânico.

Nanci Darcolete Mesquita, que assumiu recentemente a administração da cooperativa Casa do Catador, onde trabalha Milena, conta que as cooperativas hoje enfrentam duas dificuldades. "Observamos nos últimos anos uma mudança dos materiais, como as sacolinhas de mercado, que hoje são biodegradáveis e temos muita dificuldade para encontrar compradores, ou a garrafa Shefa, que substituiu algumas embalagens Tetra Pak, e ainda não tem colocação no mercado, além das embalagens laminadas, de comercialização difícil", conta Nanci. "O volume de rejeitos das cooperativas é grande devido a esses materiais. Metade do que chega volta pro lixo."

A outra dificuldade é fruto do aumento do número de catadores nas ruas. "Eles vão na frente, garimpando o que é melhor, então a empresa de coleta acaba pegando só o rejeito", afirma Nanci. "Para as cooperativas, diminuiu o material de qualidade, então precisamos processar muito mais material para ter a retirada dos cooperados."


A catadora conta que a Casa do Catador chegou a ter 80 cooperados, mas atualmente tem apenas 19, devido às dificuldades financeiras. "Não é culpa dos catadores, que estão na rua porque precisam", avalia. "Precisaria de fato de um trabalho de educação ambiental, porque, se mais pessoas separassem seu lixo nas casas, teria material para todo mundo."

Além da mudança dos materiais e da maior competição, a redução do consumo também tem efeito sobre a oferta de resíduos recicláveis. O consumo aparente de plástico caiu 15,4% entre os anos de 2012 e 2017, enquanto o de alumínio recuou 15,2% e o de papel e papelão encolheu 9,8%, segundo dados do Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre).

"Esta queda decorre da crise econômica no período de 2014-2015, interrompendo o ciclo de crescimento previsto nos anos anteriores, o que afetou a geração de resíduos recicláveis, em linha com a redução do consumo aparente dos materiais, com uma retração de 5,2%", observa a entidade, em relatório técnico. Ainda assim, houve aumento acumulado de 12,3% no volume de resíduos recicláveis recuperados, equivalente a 1,533 mil toneladas por dia.


Para Victor Bicca, presidente do Cempre, o aumento da recuperação de materiais está relacionado à conclusão, no início de 2018, da primeira fase do acordo setorial para logística reversa de embalagens, parte da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). "Apesar do momento de grande recessão econômica, tivemos um aumento de 28% na taxa de recuperação de materiais entre 2012 e 2017", afirma. A taxa de recuperação passou de 24,8% para 31,9% neste intervalo, alta de 7,1 pontos percentuais.


Segundo Bicca, o aumento do número de catadores é fenômeno cíclico. "Toda vez que há crise econômica, em que o mercado de trabalho formal diminui, há um crescimento do trabalho informal, principalmente dos catadores autônomos, que coletam material pelas ruas e vendem aos recicladores", diz. "Na medida em que a atividade econômica volta, as pessoas migram para a construção civil."


Davi Amorim, coordenador de comunicação do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), avalia que o crescimento do número de catadores na crise pode ser ainda maior do que o revelado pela pesquisa do IBGE.


Isso porque muitas pessoas que têm a coleta como fonte de renda se consideram desempregadas e não ocupadas como catadoras. Além disso, como muitos catadores são moradores de rua ou vivem precariamente em lixões, sua presença na população acaba sendo subestimada pela Pnad, que é uma pesquisa domiciliar. Amorim diz ainda que a pesquisa, por sua metodologia, também tende a subestimar a parcela de mulheres entre os catadores, já que muitas delas, ao serem entrevistadas em domicílio, informam que sua ocupação principal é de dona de casa.


Fonte: Valor Econômico












Localização:

Fale Conosco:

(91) 3201-7700

CataAmazon 2016.

Endereço: 

Campus UFPA - Rua Augusto Corrêa, 01 - Casa do Poema,

Bairro Guamá, 66075-110, Belém, Brasil