Localização:

Fale Conosco:

(91) 3201-7700

CataAmazon 2016.

Endereço: 

Campus UFPA - Rua Augusto Corrêa, 01 - Casa do Poema,

Bairro Guamá, 66075-110, Belém, Brasil

  • cataamazonufpa

Curso Mercado Mundial realiza conferência sobre indicadores socioambientais de municípios paraenses

Durante a conferência, o Professor Claudionor Dias, Assistente Social e Pesquisador do Programa Interdisciplinar Trópico em Movimento, apresentou indicadores econômicos, sociais e ambientais dos municípios de Juruti, Paragominas e Curralinho.

Nesta sexta-feira (29), o curso Mercado Mundial, Estado Nacional e o Futuro Incerto da Amazônia no Século XXI, realizou no auditório Willi Ross, do Programa Trópico em Movimento, a conferência “Indicadores Socioambientais dos Municípios de Juruti, Paragominas e Curralinho” – localizados no Estado do Pará – ministrada pelo professor Claudionor Dias, Assistente Social e pesquisador do Programa.


Na conferência, o professor Claudionor Dias, explicou sobre os indicadores econômicos, sociais e ambientais compilados do Diagnóstico da Região de Integração do Capim, Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração do Marajó e Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração do Baixo Amazonas, dos municípios de: Juruti, localizado na região do Baixo Amazonas, Paragominas, no Sudeste Paraense e Curralinho, na região do Marajó, desenvolvidos pela Fundação Amazônia de Amparo de Estudos e Pesquisas (FAPESPA) nos munícipios do Estado do Pará no ano de 2015.

“O objetivo da conferência foi demonstrar três realidades distintas, isto é, de um lado Juruti e Paragominas, municípios inseridos no contexto da exploração mineral, recebendo repasses consideráveis de recursos financeiros provenientes da arrecadação de impostos, royalties e outros investimentos sociais das compensações socioambientais, em consequência da exploração mineral (bauxita) das mineradoras HYDRO (Noruega) em Paragominas e ALCOA (Estados Unidos) em Juruti. Do outro lado o município de Curralinho localizado na Mesorregião do Marajó, cuja região se caracteriza pelos municípios com o maior índice de pobreza do Estado do Pará. Curralinho tem o seu PIB quase que exclusivamente da produção agropecuária (extrativismo do açaí e pesca) e da prestação dos serviços públicos”, explica o professor.


Além disso, a discrepância do PIB e a aproximação simétrica de alguns indicadores, como no caso do município de Curralinho que, apesar de contar com um PIB inferior ao de Juruti e Paragominas, chegou a apresentar alguns indicadores que se aproximam de Juruti e Paragominas, demonstrando a relação direta na qualidade da gestão municipal em relação a qualificação dos indicadores.


“Paragominas, por exemplo, encontra-se com um melhor ranqueamento de indicadores e apresenta certa competência na gestão municipal e aplicação dos recursos, enquanto Juruti e Curralinho transmitem fragilidades na gestão e na prestação dos serviços municipais. Os indicadores apontam para a ausência de planejamento e investimento eficaz na aplicação dos recursos nas políticas públicas”, destacou Claudionor.


Para o coordenador do Curso Mercado Mundial, Prof. Dr. Thomas Mitschein, a conferência foi muito importante para a compreensão da realidade socioeconômica no Estado do Pará. Ele ressaltou que o modelo desenvolvimentista aplicado na região amazônica, em sua maioria, vem gerando resultados abaixo das expectativas no que se refere a melhoria da qualidade de vida das populações locais dessas regiões.


Por Karina Samille Costa